segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Animais como nós



"Houve algumas boas e humanistas almas que se escandalizaram (as boas almas, principalmente as "humanistas", escandalizam-se amiúde com valores que vão um pouco além das fronteiras da sua bondade) com o facto de Obama ter dedicado parte da primeira conferência de imprensa depois de eleito ao cão prometido às filhas.

Podem, porém, sossegar essas boas almas, porque parece que Obama não é indiferente à sua (e delas, boas almas) espécie; talvez só aconteça que as fronteiras do seu humanismo sejam um pouco mais largas que as da humanista Sarah Palin, para quem um barril de petróleo vale bem a extinção dos ursos polares: " O modo como tratamos os animais - afirmou Obama - reflecte o modo como tratamos as pessoas; [também por isso] é muito importante que um presidente se preocupe com a crueldade contra os animais". A recusa de Obama em patrocinar o comércio de "raças puras" do AKC, escolhendo adoptar um animal abandonado ("a mutt, like me", isto é, "um rafeiro, como eu", explicou) tem uma força simbólica que escapa aos "humanistas", que preferiam que ele tivesse falado apenas de índices bolsistas."

Cf. crónica do JN AQUI.
Obrigado ao Veludo Azul por me ter alertado para este texto.

1 comentário:

nuno maltez disse...

Exacto... Obama, a panaceia para todas as enfermidades...