quinta-feira, 31 de julho de 2008

Iman Maleki


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.

O realismo "excessivo" do pintor iraniano Iman Maleki pode ser considerado por muitos como "datado" (eufemismo para designar algo que já passou à História); goste-se ou não da sua pintura, é, a meu ver, incontornável que a arte de Iman Maleki se inscreve na tendência contemporânea de tornar indistintos os objectos da nossa vida quotidiana e as obras de arte. No caso específico desta pintura, a indistinção joga-se entre a pintura e a fotografia. E nisso ele é mestre... observe-se, por exemplo, o muro contemplado por esta menina.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Mestres Cantores Online



Bayreuth, no passado Domingo, fez história. Entre as 14h50 e as 21h50 (7 horas seguidas...), tive oportunidade de visionar, via internet, em grande ecrã, a obra de Wagner, Os Mestres Cantores de Nuremberga (Die Meistersingers von Nürnberg), na versão de Katharina Wagner (fotografia, em cima, à esquerda). A transmissão correu optimamente do ponto de vista técnico: sem interrupções, com boa qualidade de imagem e de som. Um exemplo a seguir... Esta obra de maturidade do compositor alemão é particularmente interessante: reflecte sobre a natureza da arte no interior de uma obra de arte (o que torna uma das obras precursoras da estética modernista); ensina literalmente como é possível criar uma obra autenticamente artística; mostra o papel crucial do mestre, ao mesmo tempo que critica as regras estereotipadas de todas as academias. É igualmente uma obra que reflecte sobre o amor e os dramas da velhice (em particular a relação entre Hans Sachs e Eva). A versão de Katharina Wagner é bastante ousada, mas feliz (pelo menos, não deixa ninguém indiferente). A vaia monumental que recebe sempre no final dos espectáculos reflecte mais os conflitos de poder sobre quem herdará o Festival do que propriamente a qualidade da produção (quanto muito pode haver um juízo moral conservador sobre certas cenas como, por exemplo, um nu masculino frontal). Em termos líricos, destacaram-se as vozes de Klaus Florian Vogt (interpretando Walther von Stolzing) e Michaelle Volle (interpretando Beckmesser). O mesmo não se pode dizer do cantor Franz Hawlata (interpretando Hans Sachs). Falta-lhe potência na voz, embora em termos dramáticos tenha estado muito bem. Esta versão vai estar online até ao dia 2 de Agosto.





Não foi só na internet que o festival "abriu as portas". O espectáculo foi apresentado em grandes ecrãs para milhares de pessoas que não tiveram acesso à sala.

Nice

terça-feira, 29 de julho de 2008

Disco Solar



Este disco solar de bronze foi descoberto na zona de Nebra no estado da Saxónia-Anhalt (Alemanha) em 2001. Representa a Lua em duas fases (eventualmente o Sol e a Lua em quarto crescente); podem ver-se ainda as Plêiades (as "7 irmãs") assim como sinais que tinham o objectivo de calcular os dois solstícios.É um dos objectos astronómicos pré-históricos europeus mais interessantes, datado de uma época anterior à cultura celta. Foi construído em Nebra um centro multimédia sobre este disco com informação sobre a cultura que o produziu (conhecida como a cultura unetice).

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Cute


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.

Fotografia de Kelley Ryden.

Anel


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões (vale a pena clicar).

Para celebrar o início do Anel (do Nibelungo - sempre que ouvirem 'Anel dos Nibelungos' corrijam) no Festival de Bayreuth de 2008, publico esta fotografia da NASA da galáxia M64 (Messier 64). Esta galáxia foi descoberta no século XVIII pelo astrónomo francês Messier (ao que parece também foi localizada no mesmo ano por Edward Pigott e Johann Elert Bode) e fica a 17 milhões de anos-luz da Terra. Em relação ao Anel de Wagner, a orquestra está a cargo do maestro Christian Thielemann e a produção artística é da responsabilidade do alemão Tankred Dorst. Hoje, como é natural, é apresentado o maravilhoso Ouro do Reno.

domingo, 27 de julho de 2008

Van Dog


Clique no cartoon de Van Dog para aumentar as suas dimensões.

Tome o seu lugar...


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.

Após o grande êxito da produção do Parsifal de Stefan Herheim - onde a história de Parsifal se tornou na história da própria Alemanha - e da repetição de Tristão e Isolda, hoje pode "ir" a Bayreuth e assistir directamente do seu computador à produção dos Mestres Cantores de Nuremberg pela bisneta do compositor, Katharina Wagner. O bilhete virtual custa 49 euros, podendo fazer o login AQUI. E o espectáculo começa às 14:45 (hora de Lisboa).

Parsifal 2008


Mais fotografias da nova versão do Parsifal neste site: Wagner's Operas.

sábado, 26 de julho de 2008

Mais fotografias de Bayreuth


Bayreuth 2008


Wolfgang Wagner no seu último festival acompanhado pela filha Katharina Wagner, a nova directora do evento.


Kundry trazendo o bálsamo das Arábias para aliviar o sofrimento de Amfortas.


Parsifal no seu banho...
Fotografias do jornal Franfkurter Allgemeine.

Bayreuth - fotografias do Parsifal de Herheim


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.
Kundry

Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.
Gurnemanz

Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.
Amfortas

Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.
Parsifal
Fotografias da revista Spiegel.
Hoje o Festival continua com o Tristão e Isolda de Christoph Marthaler (já apresentado no ano passado).

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Bayreuth 2008



Iniciou-se hoje, pelas 15h (hora portuguesa; 16h, hora alemã) o Festival de Bayreuth de 2008 com a apresentação de uma nova versão de Parsifal. A concepção da mesma deve-se ao norueguês Stefan Herheim,



cabendo a regência da orquestra a Daniele Gatti. Os principais papéis - Amfortas, Gurnemanz, Parsifal, Klingsor e Kundry - são da responsabilidade dos cantores Detlef Roth, Kwangchul Youn, Christopher Ventris, Thomas Jesatko e Mihoko Fujimura. Para mais informações, consultar o site do Festival (agora totalmente renovado): Bayreuth.
A revista Spiegel publicou agora mesmo, na sua versão online, fotografias de algumas personagens carismáticas ligadas ao Festival.
Podem aqui ver a Chanceler alemã Angela Merkel que nunca falta a uma estreia. Nesta fotografia até parece a figura de Kundry a cantar:



E naturalmente aqui estão Wolfgang Wagner e a sua filha, Katharina:



Relembro que no próximo Domingo pode assistir directamente do seu computador à versão dos Mestres Cantores por Katharina Wagner.

Discurso de Barack Obama em Berlim

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Sem palavras


Clique na fotografia para aumentar as suas dimensões.
Provavelmente é uma montagem, mas não deixa de ser uma excelente fotografia (infelizmente não sei quem é o autor).

Azur e Asmar



Filme de animação de Michel Ocelot sobre a história de duas crianças, Azur e Asmar, que foram criadas juntas. Azur é louro, de olhos azuis, enquanto Asmar tem cabelos escuros e olhos negros. Depois de muitas peripécias, lançam-se na busca de uma fada Djinn aprisionada. Os Djinns ou Jinns são personagens míticas da cultura árabe - estilo génio da lâmpada de Aladino ou genius da mitologia clássica.

Blues


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.
Fotografia de waterboy.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Panoramix


Quem é que não conhece esta personagem simpática dos livros de Astérix? Panoramix é o célebre druida da irredutível aldeia gaulesa (celta), detentor do segredo da poção mágica. Será que esta poção é uma invenção dos criadores de Astérix (Uderzo e Goscinny) ou tem, antes, uma base histórica? Esta última hipótese é a resposta correcta. Os celtas acreditavam que a planta do visco possuía propriedades mágicas. E qual era a base desta crença? O facto do visco se manter bem verdejante em pleno Inverno. Ora se esta planta se mantém "imortal", o seu consumo deveria conferir propriedades especiais. Daí não devemos estranhar o facto de Panoramix ir colher com a sua foice de ouro o visco.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Van Dog


clique na imagem de Van Dog para aumentar as suas dimensões

domingo, 20 de julho de 2008

Loreley


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.

Loreley - ou Lorelei/Lore-Ley - é simultaneamente uma ninfa e um rochedo. Esta ninfa senta-se num rochedo junto ao rio Reno, no local onde os Nibelungos guardaram o seu tesouro sob a protecção dos elfos. Ela atrai fatidicamente os marinheiros de encontro à falésia. O termo "Loreley" significa literalmente um "rochedo murmurante", tendo esta zona sido consagrada pela poesia e música alemãs.




Poema

Ich weiß nicht, was soll es bedeuten,
Daß ich so traurig bin;
Ein Märchen aus alten Zeiten,
Das kommt mir nicht aus dem Sinn.

Die Luft ist kühl, und es dunkelt,
Un ruhig fließt der Rhein;
Der Gipfel des Berges funkelt
In Abendsonnenschein.

Die schönste Jungfrau sitzet
Dort oben wunderbar,
Ihr goldenes Geschmeide blitzet,
Sie kämmt ihr goldenes Haar.

Sie kämmt es mit goldenem Kamme
Und singt ein Leid dabei;
Das hat eine wundersame,
Gewaltige Melodei.

Den Schiffer im kleinen Schiffe
Ergreift es mit wildem Weh;
Er schaut nicht die Felsenriffe,
Er schaut nur hinauf in die Höh'.

Ich glaube, die Wellen verschlingen
Am Ende Schiffer uns Kahn;
Und das hat mit ihrem Singen
Die Lorelei getan.

Heinrich Heine

Tradução

Não sei como explicar
Estar tão triste;
Uma lenda de tempos antigos
Não me sai da cabeça.

O ar está frio e já escurece,
E calmo flui o Reno;
O pico da montanha brilha
Ao entardecer.

Uma virgem senta-se
Lá em cima, maravilhosa;
As suas jóias de ouro cintilam,
enquanto ela penteia os seus cabelos dourados.

Ela penteia-os com o seu pente dourado
E canta uma canção;
Era uma melodia maravilhosa,
Plena de força.

O marinheiro num pequeno barco
Escuta-a com uma angústia selvagem;
Ele não vê os rochedos,
Ele olha apenas para cima.

Creio que as ondas engoliram
o marinheiro e a sua embarcação;
E com esta canção
Assim fez o Loreley.

Henrich Heine

sábado, 19 de julho de 2008

Lost in Translation



A obra cinematográfica de Sofia Coppola, Lost in Translation (2003) é um dos meus filme preferidos. Sabe combinar com grande delicadeza o trágico e o cómico, o amor e a solidão. O final é propositadamente ambíguo, pois tanto a ruptura como o enlace triunfal fariam perder muito da história. Mas como diz o ditado a "curiosidade matou o gato" e todos nós gostaríamos de saber quais foram as palavras finais que Bob Harris (Bill Murray) diz a Charlotte (Scarlett Johansson). Bem, agora já pode saber...basta clicar no vídeo em cima!

Gatos de Vanessa Ho (4)



"Mão" de Vanesssa Ho.

Gatos de Vanessa Ho (3)



Baby in a Corner de Vanessa Ho.

Gatos de Vanessa Ho (2)



Tabhika de Vanessa Ho.

Gatos de Vanessa Ho (1)



"I'm not a mouse" de Vanessa Ho.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Nelson Mandela


90 sorrisos para Nelson Mandela

Green Studies



Os "Green Studies" visam tornar o estudo da Natureza num dos tópicos centrais das Humanidades, à semelhança dos estudos do género, dos estudos pós-coloniais, entre outros. Um dos seus principais representantes é o filósofo da literatura inglês, Laurence Coupe. Esta obra (The Green Studies Reader. From Romanticism to Ecocriticism, Londres/Nova Iorque: Routledge), publicada em 2000, tem uma das melhores colectâneas de textos sobre o sentido da Natureza. Encontramos, só a título de exemplo, textos fundamentais de autores como: William Blake, Wordsworth, Coleridge, Thoreau, Ruskin, William Morris, Virginia Woolf, D.H. Lawrence, Adorno, Heidegger, Gary Snyder, Lévi-Strauss e Lyotard.

O Estado da Nação

"Passei hoje toda a manhã na Assembleia da República, para assistir à discussão da petição sobre os Direitos Humanos no Tibete, de que fui o primeiro subscritor e que obteve 11000 assinaturas. Mas não é disso que venho falar. Venho falar da confirmação directa da imagem que já tinha do estado da nação, no que respeita aos seus representantes parlamentares.
Hoje era o último dia de trabalhos antes das férias parlamentares, com uma agenda cheia de debates e votações sobre projectos de lei e petições. Às 10 horas, quando abriram os trabalhos, as bancadas teriam no máximo um terço dos deputados. À medida que os vários oradores, do governo e dos partidos, tomavam a palavra, aquilo a que se assistia era o seguinte: dos escassos presentes, ninguém parecia estar a ouvir absolutamente nada; uns levavam o portátil e mandavam mails, outros falavam ao telefone, uns conversavam em pequenos grupos, alguns de costas viradas para o orador, outros liam tranquilamente os jornais: diários, desportivos, etc. Apenas interrompiam estas actividades para aplaudirem maquinalmente o orador do seu partido, voltando depois ao mesmo.
Foi só por volta do meio-dia que o hemiciclo se começou a compor e só então chegaram as figuras mais relevantes e as caras mais conhecidas dos vários partidos, com ar descontraído, palmadinhas nas costas e sorrisos cúmplices para os seus correlegionários. Foi por essa altura que a petição relativa ao Tibete começou a ser discutida. Quando a deputada do PS começou a apresentar o relatório sobre a situação no Tibete, elaborado a partir das reuniões que o grupo parlamentar dos Negócios Estrangeiros manteve connosco, o ruído das conversas era tal que ela teve de parar por duas vezes e o próprio Presidente da Assembleia, Jaime Gama, de pedir silêncio aos "senhores deputados". Sem qualquer efeito. O ambiente era igual ou pior ao de uma turma das mais indisciplinadas do ensino primário ou secundário. Em abono da verdade, ressalve-se que só a bancada do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista mantinha relativamente maior silêncio e compostura.
Seria apenas hoje, por ser o último dia antes das férias? Não. Uma amiga que lá trabalha esclareceu que é sempre assim.
Após a apresentação das várias matérias em debate, nestas circunstâncias de total alheamento e desrespeito mútuo, ia-se seguir a votação. Levantei-me e vim-me embora. Estava elucidado e só pensava que, após dois mandatos de quatro anos nesta vida, saem de lá com belas reformas para sempre.
Estou esclarecido sobre o estado da nação, espelhado no seu Parlamento, que deveria ser-lhe exemplo. Só pergunto, a mim e a vocês, se são estes os nossos representantes, se são estes que queremos como representantes. É isto democracia, partidocracia ou mediocrecracia? E o que fazemos?"
Paulo Borges (blogue Serpente Emplumada)

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Dois Tectos de Chagall


Clique neste auto-retrato de Chagall para aumentar as suas dimensões.
Não é todos os dias que se pode contemplar um tecto assim. Trata-se do tecto da Ópera de Paris, pintado por Chagall:

Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.
Mas, como refere o título desta obra de Chagall, não há tecto (abrigo) mais sublime do que o dos amantes:

Les amants sur le toit
Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Bill Viola/Wagner em Paris


Cique na imagem para aumentar as suas dimensões.

O Tristão e Isolda de Wagner, na encenação de Peter Sellars com vídeo de Bill Viola, está de volta a Paris (Ópera da Bastilha). Tristão e Isolda serão interpretados respectivamente pelo tenor Clifton Forbis e pela soprano Waltraud Meier. Os espectáculos iniciam-se a 30 de Outubro.

terça-feira, 15 de julho de 2008

Checkout


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.
Quadro de Chagall sobre a expulsão de Adão e Eva do Paraíso.

"Quem é que assim nos virou, de tal forma
que, em tudo o que façamos, estamos sempre na atitude
de alguém que parte? Como esse que parte,
no alto da última colina que mais uma vez
lhe mostra todo o seu vale, se volta, pára e se demora -
assim vivemos nós, sempre a despedir-nos."
Rilke, Oitava Elegia, in Elegias de Duíno, trad. Paulo Quintela

segunda-feira, 14 de julho de 2008

A Alemanha e os animais

Comentário a um post do blog Shelterkoln sobre o sistema de protecção de animais na Alemanha:

"Estive durante meio ano a viver na Alemanha e nem por uma vez vi um animal sozinho e, muito menos, com sinais de estar abandonado. A mentalidade alemã é muito diferente, acima de tudo são cívicos e não olham apenas para o próprio umbigo. Sabem viver em comunidade e respeitam-se mutuamente.
Enquanto estive na Alemanha, tive precisamente essa curiosidade de perceber como conseguiam eles estes "milagres". Então explicaram-me que ter um animal lá é como ter um filho. O estado dá uma espécie de "abono" por cada animal para compensar as despesas com veterinário, alimentação e cuidados básicos. Por isso, é muito frequente verem-se sem-abrigos acompanhados de cães que estão bem mais limpos do que um animal com lar cá em Portugal.
Além disso, e como recebem um "abono", a família adoptante é obrigada a tratar bem do animal, desde alimentação, higiene, cuidados na saúde, até ao facto de andar sempre de trela na rua e com o respectivo chip colocado.
Assim evita-se que os animais se percam. Para controlar se isto é cumprido (embora os alemães não precisam de ser controlados porque eles próprios têm a necessidade e o civismo de cumprir as regras sociais), é muito comum a polícia pedir os documentos identificativos dos animais para ver se tudo está em ordem. Caso não esteja, os donos terão de pagar uma multa e arriscam-se a ficar sem o animal. Caso alguém passeie na rua um animal sem este ter trela também pode ser multado numa avultada quantia.
Era bom que esta política funcionasse em Portugal, mas para que isso acontecesse era preciso fazer-se uma lavagem cerebral aos portugueses.
Por fim, queria apenas destacar também os excelentes jardins zoológicos existentes na Alemanha. Cada cenário é reconstituído tendo em conta o animal para que este se sinta mais em casa. Não estão em jaulas como nos nossos mas sim em espaços extremamente verdejantes, enormes, e com apenas uma rede protectora em volta.
Ah, para terminar, acrescento apenas, para terem uma ideia da importância que tem um animal na Alemanha,não há proibição na entrada de animais em hotéis nem em centros comerciais. São simplesmente tratados como pessoas. Ao sábado, dia de se sair com a família, o cenário mais comum é ver-se o casal acompanhado pelos filhos e pelos animais de estimação (sempre com trela). Todos bem tratados e todos tratados como gente... Dizia-me um alemão o seguinte: "o que mais me chocou quando estive em Espanha e em Portugal foi ver a quantidade de animais mal tratados na rua. Tão chocado fiquei que não resisti em trazer uma cadelinha que hoje é a minha companhia".
Será que terão de ser eles a vir buscar estes nossos pequenos companheiros para que eles possam ser definitivamente felizes?"

Van Dog


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.

Cartoon de Van Dog.

domingo, 13 de julho de 2008

Liebestod



Enquanto aguardamos a interpretação de Isolda pela cantora sueca Iréne Theorin no próximo festival de Bayreuth deste mês, podemos escutar aqui o final de Tristão e Isolda através da bela voz de Waltraud Meier, sendo a orquestra dirigida por Daniel Baremboim. Ao ouvir o Liebestod, pergunto-me muitas vezes se é possível alguma vez superar a perfeição musical deste tema.

sábado, 12 de julho de 2008

Condutor automático



Encontrei no Expresso este interessante vídeo sobre um carro americano - carros, no plural, por sinal - que anda(m) calmamente sem condutor... se não acredita, vejo o vídeo. Mas por favor não digam que estes carros pensam; pensam tanto como a minha torradeira aqui ao meu lado.

Nus



Dois estudos sobre nus, um de Gauguin e outro de Paula Modersohn-Becker. Ambos os pintores pertencem à primeira escola dita expressionista, na qual os trabalhos de Van Gogh, Munch e Egon Schiele são habitualmente catalogados. Ainda hoje o significado do termo "expressionismo" - designado por Roger Fry como "pós-impressionismo" - levanta algumas dúvidas. Para alguns, o termo designa o primado da forma sobre o referente, de tal modo que qualquer conotação é apenas uma modificação da forma e nunca um elemento distinto desta última; por sua vez, o expressionismo é muitas vezes caracterizado como um modo de arte de forte intensidade psicológica revelada pela pregnância das cores e das formas. O mais certo é ser as duas coisas ao mesmo tempo.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Paula Modersohn-Becker


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.

Auto-retrato da pintora alemã Paula Modersohn-Becker (1876-1907), um dos principais nomes da primeira escola expressionista.
O retrato de Rilke que coloquei recentemente é dela. Aliás, o célebre poema Requiem (1908) de Rilke foi escrito em sua memória, pois a pintora faleceu prematuramente com 31 anos.

E aqui um selo comemorativo desta artista.

Gota


Clique na imagem para aumentar as suas dimensões.