segunda-feira, 14 de julho de 2008

A Alemanha e os animais

Comentário a um post do blog Shelterkoln sobre o sistema de protecção de animais na Alemanha:

"Estive durante meio ano a viver na Alemanha e nem por uma vez vi um animal sozinho e, muito menos, com sinais de estar abandonado. A mentalidade alemã é muito diferente, acima de tudo são cívicos e não olham apenas para o próprio umbigo. Sabem viver em comunidade e respeitam-se mutuamente.
Enquanto estive na Alemanha, tive precisamente essa curiosidade de perceber como conseguiam eles estes "milagres". Então explicaram-me que ter um animal lá é como ter um filho. O estado dá uma espécie de "abono" por cada animal para compensar as despesas com veterinário, alimentação e cuidados básicos. Por isso, é muito frequente verem-se sem-abrigos acompanhados de cães que estão bem mais limpos do que um animal com lar cá em Portugal.
Além disso, e como recebem um "abono", a família adoptante é obrigada a tratar bem do animal, desde alimentação, higiene, cuidados na saúde, até ao facto de andar sempre de trela na rua e com o respectivo chip colocado.
Assim evita-se que os animais se percam. Para controlar se isto é cumprido (embora os alemães não precisam de ser controlados porque eles próprios têm a necessidade e o civismo de cumprir as regras sociais), é muito comum a polícia pedir os documentos identificativos dos animais para ver se tudo está em ordem. Caso não esteja, os donos terão de pagar uma multa e arriscam-se a ficar sem o animal. Caso alguém passeie na rua um animal sem este ter trela também pode ser multado numa avultada quantia.
Era bom que esta política funcionasse em Portugal, mas para que isso acontecesse era preciso fazer-se uma lavagem cerebral aos portugueses.
Por fim, queria apenas destacar também os excelentes jardins zoológicos existentes na Alemanha. Cada cenário é reconstituído tendo em conta o animal para que este se sinta mais em casa. Não estão em jaulas como nos nossos mas sim em espaços extremamente verdejantes, enormes, e com apenas uma rede protectora em volta.
Ah, para terminar, acrescento apenas, para terem uma ideia da importância que tem um animal na Alemanha,não há proibição na entrada de animais em hotéis nem em centros comerciais. São simplesmente tratados como pessoas. Ao sábado, dia de se sair com a família, o cenário mais comum é ver-se o casal acompanhado pelos filhos e pelos animais de estimação (sempre com trela). Todos bem tratados e todos tratados como gente... Dizia-me um alemão o seguinte: "o que mais me chocou quando estive em Espanha e em Portugal foi ver a quantidade de animais mal tratados na rua. Tão chocado fiquei que não resisti em trazer uma cadelinha que hoje é a minha companhia".
Será que terão de ser eles a vir buscar estes nossos pequenos companheiros para que eles possam ser definitivamente felizes?"

5 comentários:

hfm disse...

Se calhar... :(

Van Dog disse...

É verdade que a mentalidade por aqui tem que mudar. E sei que a Alemanha é um exemplo. Muita canzoada vai de canis daqui para lá, para adopção. Mas gostava de perceber mais: qual o papel da legislação, por exemplo. Sei que, por cá, uma coisa é haver legislação adequada outra é ser cumprida, mas quanto mais tempo passa mais acho que, se os humanos não forem obrigados a respeitar os animais, nunca mais se muda (mudar mentalidades demora sempre muito tempo...).

Bhixma disse...

Concordo! É importante alterar a legislação, criando eventualmente o que existe em Inglaterra: uma polícia não apenas dedicada aos crimes ambientais (essa já existe cá), mas também à defesa dos animais.

Maísha disse...

já existe cá e mesmo assim... vive-se de muita teoria em Portugal, acerca de muitas coisas importantes, essa é sem dúvida uma delas. só para dar um exemplo em relação aos problemas ambientais, conheci recentemente uma pessoa, nos seus trinta, instruído, defensor e praticante de acções de suposto civismo e educação comunitária, muito bem falante sobre a defesa do ambiente. quando fui a sua casa, a primeira coisa em que reparei foi que não reciclava o lixo. a segunda, foi que percorria curtas distâncias de carro. a terceira, que atirava a beata do cigarro pela janela. and so on, and so on...

Bhixma disse...

Só conheço a BEFA, a Brigada Especial de Fiscalização Animal da Polícia Municipal de Lisboa. Em termos de acções, até agora só vi a apreensão de cães de raças ditas perigosas para os humanos. Já agora gostaria de saber qual é o destino desses cães...