terça-feira, 15 de março de 2005

Yad Vashem


Pintura de David Olère, "Punido no Bunker", Museu Yad Vashem. A Shoah, a "catástrofe" - cuja tradução por Holocausto apenas se aceita por tradição (afinal, o Holocausto é um sacrifício religioso) - é um evento único, sem paralelo na história da humanidade. Aqui não conta a aritmética dos números, nem a brutalidade dos algozes. A Shoah é a única pois é feita em nome da razão, dessa razão fria, totalitária, calculista que esquece a própria ideia de pessoa como um fim em si mesmo. A Shoah é única pois nasceu no centro da Europa, no coração da Alemanha, na nação que nos ofereceu a música de Bach e de Wagner, a literatura de Goethe e de Hölderlin, a filosofia de Leibniz, de Kant e de Heidegger. E, deste modo, deixa-nos perante Deus sem perdão... Posted by Hello

2 comentários:

Kyriu disse...

estou farto desta conversa. já se aniquilam indíviduos à muito mais tempo, a destruição e humilhação tem ums história que precede em muito o nazismo. e mesmo depois continuou... estou farto que me enfiem isto pela goela abaixo sem olhar em volta e ver que noutros sítios, com outras pessoas, se continua a passar o mesmo.

"calculista que esquece a própria ideia de pessoa como um fim em si mesmo."

eles não esqueceram "a pessoa" porque para eles não estavam a destruir pessoas.

e isto foi um desabafo. obrigado por emprestar a parede.

Kyriu disse...

rectificativo (antes que me linchem):
onde se lê...
eles não esqueceram "a pessoa" porque para eles não estavam a destruir pessoas.
deve ler-se...
eles não esqueceram "a pessoa" porque para eles, elas não eram pessoas.